Final da Liga dos Campeões Feminina

Se gostas de futebol, não podes perder hoje às 17h a final da Liga dos Campeões Feminina na TVI

O jogo vai ser em Bilbao, Espanha, e terá como realizadora a Claudia Santos e terá a equipa da Mediapro como host broadcast.

Serão 17 as câmaras que vão fazer a cobertura do jogo entre o Barcelona e o Olympique Lyonnais, que são os clubes que têm mais títulos nesta competição.

A transmissão terá som surround 5.1+2 com mistura de áudio muticanal em Dolby E.

Fonte: Oscar Sanchez

Curiosidades técnicas do Festival da Eurovisão 2024 na Suécia.

Curiosidades técnicas do Festival da Eurovisão 2024 na Suécia.
Podemos gostar ou detestar,
mas as produções são todos os anos espetaculares,
e na minha opinião de visionamento obrigatório para realizadores, operadores de câmaras e todos os outros técnicos

Fonte: JPrieto_ Music_Show

Grass Valley Open Day

Ontem foi dia de aprender!!!

A Grass Valley em colaboração com a Ibertelco apresentou as novidades da NAB no Hotel Tivoli Oriente.

Destaque para as demos da câmara LDX 150,  da mesa de mistura K-frame Kayenne e da plataforma AMPP com soluções Broadcast na cloud (Framelight X, Playout X, Densite e Live Touch X)

#LiveProduction #MediaTech #Broadcast

O primeiro videoclipe gerado por IA do mundo acaba de ser lançado

Um videoclip profissional criado com o Sora da OpenAI, um modelo de IA de texto para vídeo, foi lançado pelo realizador Paul Trillo
O vídeo de “The Hardest Part” de Washed Out utilizou 700 clips gerados pelo Sora, com 55 selecionados para a edição final, mostrando a capacidade da IA ​​ transformar descrições escritas em videoclips.
Apesar de ainda não estar disponível publicamente, o acesso antecipado ao Sora foi concedido a um grupo selecionado de artistas, incluindo Trillo, despertando interesse e debate sobre o futuro da IA ​​em processos criativos.

NAB 2024: A revolução da IA ​​alimentada por dados dos média

O casamento entre a IA e empresas de média ricas em dados, já está a transformar a produção, a distribuição e a monetização de conteúdos.

Como num romance de ficção científica onde a inteligência artificial está envolvida em tudo o que as pessoas fazem, na NAB 2024 – a feira de tecnologias Broadcast que decorreu em Las Vegas de 13 a 17 de Abril, viu-se a inteligência artificial, e em particular a IA generativa, assumir um nível de proeminência que apenas tecnologias altamente disruptivas conseguem alcançar.

Separar parte do entusiasmo da ficção científica em torno da IA e ​​das oportunidades reais a longo prazo continua a ser uma tarefa difícil, mas quase uma dúzia de expositores da NAB dizem que há poucas dúvidas de que o casamento do mundo real entre IA e dados abre enormes oportunidades para empresas de média com amplas bibliotecas de conteúdos ricos em dados e metadados.

Com ferramentas recém-lançadas como o OpenAI Sora, os criadores de conteúdos serão capazes de produzir vídeos curtos de forma rápida e económica, o que é especialmente relevante para anúncios, marketing e campanhas de média social e levará a novas formas de envolvimento e monetização de conteúdo.

Parte disso baseia-se em empresas muito grandes já existentes A IDC prevê agora que o mercado mundial de software de IA crescerá de 64 mil milhões de dólares em 2022 para quase 251 mil milhões de dólares em 2027 e que as plataformas e aplicações generativas de IA gerarão receitas adicionais de 55,7 mil milhões de dólares em 2027.

Os extensos dados que estações de televisão, estúdios, streamers e outras empresas de média possuem em relação ao comportamento do consumidor e ao conteúdo que criam dão à indústria uma vantagem quando se trata de capitalizar os avanços da IA, mas também estão subjacentes a alguns dos maiores desafios colocados. pela IA. “O cenário jurídico em termos de direitos de conteúdo para IA generativa é um campo minado neste momento, com uma infinidade de ações judiciais movidas contra empresas de tecnologia por artistas e autores”, explicou Camilla Powell, gestora de produto da Disguise.

Powell sublinha, no entanto, que o casamento entre IA e dados já está a produzir grandes avanços na criação de conteúdos. Além de aplicações em edição, produção remota e personalização de conteúdo, a combinação de dados de câmaras, ecrãs de LED, lentes e outros componentes produziu ferramentas de IA aprimoradas para produção virtual. “Em vez de criar cenários de produção virtuais em semanas, as equipas podem usar IA para compor cenários foto realistas em minutos”, disse ela.

Mais especificamente, uma série de empresas como Chyron, Vizrt e Sony oferecerão ferramentas baseadas em IA para produção em direto. A Sony, por exemplo, apresentará a solução Sony AI Automated Production (Sony A2P).

“Usar IA e dados integrados nos nossos fluxos de trabalho de notícias e desporto significa que podemos construir gráficos e reproduzir histórias de forma mais rápida e fácil”, disse Steve Taylor, vice-presidente de P&D da Vizrt, que apresentará o Viz Engine e outras soluções com recursos de IA.

Todos nós já ouvimos falar dos benefícios da IA ​​para a experiência do consumidor, mas o que ela pode fazer pelos provedores de serviços de vídeo no lado comercial é igualmente revolucionário, oferecendo-lhes ferramentas para melhorar a qualidade do vídeo e, ao mesmo tempo, fornecer “conteúdo de vídeo com maior eficiência de custos”.

Cinco conclusões sobre IA, não geradas por IA

O casamento entre IA e dados alimenta a inovação. Os dados são a base principal para o treino de plataformas de aprendizado máquina (machine learning). Quanto melhores forem os dados mais emocionante será a experiência que pode ser fornecida ao espectador.

Depois de anos de luta para oferecer publicidade mais personalizada, as ferramentas de IA prometem tornar a média personalizada uma realidade. No futuro, no desporto, você verá a colaboração de parceiros com diferentes mecanismos de IA para personalizar a experiência dos adeptos.

A IA está a produzir uma produção virtual mais económica do que nunca, disponibilizando a tecnologia dos recursos de Hollywood para produções independentes.

Os aplicativos de IA prometem agilizar os aplicativos existentes para codificação, monitoramento, controle de qualidade, gestão de largura de banda, desenvolvimento de aplicativos e outros aplicativos. “Algoritmos de IA, aprendizado de máquina e visão computacional estão sendo usados ​​para automatizar tarefas práticas de distribuição de conteúdo”, explicou Mathieu Planche, CEO da Witbe, e em áreas como testes de aplicativos eles aceleraram exponencialmente os processos.

A IA precisa de humanos — O ditado do pioneiro da IA ​​e professor de Stanford Fei-Fei Li de que “a IA é feita por humanos” e que “não há nada artificial nisso” também está a ser levado a sério por empresas que enfatizam a importância de treinar pessoas no desenvolvimento de soluções de IA. “É preciso treinar as pessoas para usá-las adequadamente”, disse Carol Bettencourt, vice-presidente de marketing da Chyron, que também enfatizou a importância de trabalhar com os clientes para melhorar ainda mais as ferramentas.

Fonte: NAB 2024.

Novo canal de informação da Medialivre vai chamar-se News Now

Grupo Medialivre já tem luz verde do regulador dos media para avançar com o novo canal de informação. Ex-primeiro-ministro António Costa e cardeal Américo Aguiar serão comentadores.

A deliberação, assinada pela ERC esta quarta-feira, revoga uma deliberação do regulador de dia 10 de abril, que não chegou a ser efetivada. Nesta, era autorizado “o exercício da atividade de televisão através de um serviço de programas temático, de cobertura nacional e acesso não condicionado com assinatura, denominado Canal9“.

O nome Canal9, que deu entrada no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) no dia 20 de fevereiro com um pedido de registo, pressupunha que seria esta a posição ocupada pelo novo projeto do grupo também dono da CMTV, do Jornal de Negócios ou do Record, o que pode não se confirmar em todos os operadores.

O News Now, pretende posicionar-se num segmento informativo, para “reforçar a informação de qualidade e de referência para os públicos mais qualificados, colocando o foco principal da grelha noticiosa nas temáticas políticas, económicas, nos grandes desafios da civilização, como o aquecimento global ou a inteligência artificial, na informação internacional, em particular a relacionada com o espaço europeu (…). O projeto “criará ainda o ambiente mais propício à inovação digital e ao aprofundamento da oferta online e multiplataforma (…) um caminho para a informação de qualidade (…).”, lê-se na deliberação da ERC.

O canal, que pretende chegar a “novas audiências, nomeadamente nos segmentos premium e mais jovens“, vai levar à criação de 58 novos postos de trabalho, 26 na área editorial e 32 nas áreas técnicas e de apoio.

O lançamento do News Now, ainda sem data completamente fechada, pode avançar ainda antes do verão. O comentário, e os espaços de frente-a-frente serão uma das apostas do canal que, como Marques Mendes avançou no seu comentário de domingo na SIC, conta com o ex-primeiro-ministro António Costa como comentador. O Observador também já avançou o nome do cardeal Américo Aguiar, bispo de Setúbal, responsável pela organização da Jornada Mundial da Juventude de 2023 e ex-presidente do Grupo Renascença Multimedia como comentador. Judite de Sousa, que já participou, na CMTV, na cobertura das eleições legislativas, é outro dos nomes apontados, embora não confirmados, como um dos rostos do canal.

O novo projeto de televisão da Medialivre, que agora sabemos que se chama News Now, será liderado por Carlos Rodrigues, diretor-geral editorial do grupo, terá Paulo Oliveira Lima como diretor-executivo, avançou o Correio da Manhã a 14 de março. “O jornalista liderará a preparação e conceção de todo o desenho tecnológico, organizativo, gráfico e videográfico do futuro projeto televisivo“, explicava o título.

No início de março a Medialivre inaugurou um novo estúdio de televisão, um espaço com 200 metros quadrados e que permite a criação e utilização de vários sets em simultâneo, com câmaras robotizadas. O espaço, escrevia o título, foi construído a pensar na noite eleitoral de 10 de março, mas irá também servir o futuro próximo da estação.

“A ideia foi melhorar a capacidade de resposta para as eleições, mas, na verdade, esta é uma infraestrutura fundamental para a Medialivre, porque esta é uma casa de notícias, onde temos uma forma muito simples de enfrentar o mundo: com trabalho. E por isso, com este espaço abrimos novos mundos ao mundo das notícias”, dizia no CM.

Com a CMTV registada como canal generalista, o novo canal do grupo tenderá a posicionar-se para concorrer com a SIC Notícias e a CNN Portugal. “O segredo é o posicionamento”, comenta fonte próxima do processo no início de março. E o posicionamento passará pelo lançamento de um canal premium com capacidade para atrair novos segmentos de público e reforçar a penetração em televisão do grupo que também dono do Jornal de Negócios, do Record e da Sábado.

Sobre o impacto que o novo canal terá nos restantes, Rodrigo Albuquerque dizia que a resposta dependerá muito do posicionamento do novo projeto. Ou seja, será necessário perceber “se será apenas mais um canal de informação, ou se, por outro lado, procurará vir dar resposta a alguma tipologia de procura específica, ocupando um posicionamento novo que possa não estar ainda a ser tão bem explorado pelos canais existentes”.

“Acredito que haverá espaço para que isso possa acontecer. Assistimos neste momento a um consumidor cada vez mais polarizado e a audiências cada vez mais fragmentadas e nesse sentido abrem-se também novas oportunidades”, acrescentava o managing partner da Arena Media.

FONTES : MAGG ; ECO ; Expresso